terça-feira, maio 28, 2024
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO AMAZONASspot_imgspot_img

NOTÍCIAS ALEAM

InícioBRASILAo vencedor, as batatas!

Ao vencedor, as batatas!

Ao vencedor, as batatas!

16 de julho de 2019  Por CLÁUDIO VIEIRA     site https://brasilfestasefolias.com.br/

Índios Krahôs, do Alto Tocantins, fazem da Festa da Batata uma lição de sabedoria para o equilíbrio no poder

Com informações e fotos de Andrea Goldschmidt

Divididos em dois grupos – o da estação Katam’Jê e o da estação Wakme’Jê – os índios Krahôs, cuja aldeia está situada a uma hora de distância do município de Itacajá, no Nordeste do Estado de Tocantins, desenvolveram um sistema de governo que, um dia, quem sabe, poderá inspirar o homem branco.

Na concepção Krahô o ano se divide em duas estações, a seca (Wakme’Jê), determinada pelo sol nascente, calor, vegetação escassa e presença de animais diurnos; e a chuvosa (Katam’Jê), do sol poente, frio, vegetação verde e abundante, animais noturnos.

E é de seis em seis meses, quando as estações se alternam, que a tribo se reúne para um ritual de extrema importância: o da troca do poder.

Como numa partida de queimado, os índios tentam acertar os adversários. Mas, em vez de bola, usam batatas…

Na estação da seca, quem manda é o cacique da chuva; e na estação chuvosa, quem assume o comando é o cacique da seca. É assim que os Krahô tentam buscar um equilíbrio constante em suas ações para que todos vivam adequados à pobreza da região e à escassez de recursos naturais, cada vez maior. Os dois grupos são identificados com pinturas corporais. Um usa traços verticais vermelhos e pretos, o outro, horizontais, das mesmas cores.

Para celebrar a troca do poder, os Krahôs organizam duas cerimônias anuais, celebradas em julho – quando assume o grupo da seca – e janeiro – quando chega a vez do grupo da chuva. É nestas duas ocasiões especiais que acontece a Festa da Batata.

Todo tubérculo é batata

Batata, para os krahôs, são vários tipos de tubérculos: a batata-inglesa, a batata-doce, a mandioca, o inhame e outros, consumidos pela aldeia durante o ano inteiro.

No dia da cerimônia, homens e mulheres se revezam nos preparativos do paparuto, um bolo feito com massa de mandioca, recheado com pedaços de carne ou peixe, e assado num envólucro artesanal, feito com folhas de bananeira. Todos comem o paparuto, saudando as forças da natureza e a integração do povo. O paparuto é o elo comum a todas as cerimônias da etnia, inclusive os casamentos.

Os Krahôs não têm muitos motivos para rir. Afinal, seus vizinhos, grandes latifundiários, plantadores de soja e milho, maltratam a água que vai para a aldeia. É nela que despejam agrotóxicos e lavam o gado, obrigando os índios a desviarem cursos naturais aqui e ali, para que tenham água de qualidade para as crianças e os velhos beberem.

Os Krahô embalam o paparuto (bolo de mandioca com carne ou peixe) com folhas de bananeira para assar no braseiro

O grande momento da Festa da Batata – e, talvez por isso seja chamada de “festa” – é quando as equipes da chuva e da seca se encontram no centro da aldeia para disputar um jogo parecido com “queimado”. Só há uma diferença: em vez de uma bola, os krahôs usam batatas. O índio atingido por uma batatada é “queimado”, tendo que abandonar o jogo e sair correndo para tratar do calombo que nasce no local do hematoma. Vence o grupo que eliminar todos os adversários.

“De longe a gente escuta o impacto da batata. Eles jogam muito forte” – conta a fotógrafa Andrea Goldschmidt, que passou 15 dias na aldeia Krahô e participou da Festa da Batata em julho de 2016. Ganhou as listras verticais do grupo Katam’Jê e foi rebatizada com o nome de Irãhkwyj – nome que não consegue memorizar, nem falar, mas que significa “flor que nasce em árvore”. Se fosse em português seria Acácia, mais simples.

A administradora que virou fotógrafa

Andréa virou Irãhkwyj,

“flor que nasce na árvore”-

Foto Márcia Costa

Andrea é paulistana. Era uma administradora de empresas que resolveu fazer um curso de fotografias para aliviar a carga de estresse. Precisava de um tema para fazer o trabalho de encerramento do curso e, numa viagem a Cuzco, conheceu um fotógrafo peruano, cujo grande sonho era documentar todas as festas populares de seu país. Teve um estalo: por que não documentar as festas populares do Brasil?

Já fotografou 36, de diferentes religiões e manifestações culturais de todos os cantos do País. Mas, um dia, refletiu: faltava documentar uma festa indígena. Foi quando conheceu o fotógrafo Renato Soares, um especialista em índios brasileiros. Num universo com pouco mais de 300 etnias, ele já fotografou 84!

Convidada por Renato, Andrea colocou a mochila nas costas e partiu para o Tocantins. Além dos 15 dias de convívio com os krahôs, Irãhkwyj ficou encantada com o céu da região: “Parecia que nós estávamos num planetário!” – lembra com saudades. As fotos que ilustram esta matéria foram feitas por ela, que nos permitiu usá-las.

Para guardar os registros de suas andanças, Andrea criou um blog e um site, cujo link pode ser acessado ao final do texto. Atualmente, interrompeu sua ida às festas para concluir a edição de um web-documentário sobre as festas de São José do Paraitinga, cidade do interior de São Paulo, que pode ser considerada a campeã brasileira de eventos folclóricos.

Machado não sabia de nada

Machado não conhecia os Krahôs

Quando escreveu o romance Quincas Borba, em 1891, Machado de Assis destaca a filosofia do personagem principal (o próprio Quincas), que tentava convencer o discípulo Rubião que tipo de vantagem uma tribo poderia levar sobre a outra numa disputa por batatas, o alimento para a sobrevivência de ambas. Traduzindo ao pé da letra, o prêmio ficaria com a mais poderosa, que talvez não festejasse a vitória, mas ficaria com as batatas.

Ensinava Quincas Borba:

“Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividirem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais feitos das ações bélicas. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas” – e a expressão popular acabou nascendo aí.

Se Machado conhecesse a filosofia dos krahôs, que fazem da batata o seu instrumento de união e sabedoria, talvez buscasse um outro exemplo.

Os Krahôs não têm muitos motivos para sorrir

Festas Populares Brasileiras – https://www.festasbrasileiras.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Manaus

Reordenamento do Centro Comercial e Histórico é Iniciado pela Prefeitura de Manaus

Manaus – A Prefeitura de Manaus, através das secretarias municipais de Infraestrutura (Seminf); Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (Semacc); da Mulher, Assistência Social...

William Alemão denuncia precariedade do T4

O vereador William Alemão tem sido uma voz ativa em defesa dos usuários do transporte público de Manaus, denunciando as condições precárias do Terminal...

Homem Atropelado na Compensa Espera Socorro de Ambulância por Quase 2 Horas

Manaus – Na manhã desta quarta-feira (22), por volta das 6h, um homem identificado como Antônio foi atropelado na avenida Brasil, no bairro Compensa,...

Caio André denuncia alagações no Monte das Oliveiras

  O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador Caio André (União Brasil), denunciou, nesta terça-feira (21/05), problema de alagações na rua Yarapé, no...

Cães auxiliaram na apreensão + de 500kg de drogas em 4 meses

Cães de faro para narcóticos ajudaram na apreensão de muitas drogas no Amazonas   Nos últimos quatro meses, os cães de faro para narcóticos da Polícia...
spot_imgspot_img

POPULARES

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img